Mitos sobre os Painéis Solares

O sol é uma fonte abundante de energia limpa e renovável. Na verdade, a maior parte da energia que chega à Terra vem do sol. Os painéis solares convertem a energia solar em energia elétrica que pode ser usada para alimentar os nossos dispositivos elétricos.

Embora os painéis solares sejam uma tecnologia relativamente nova, há muitos mitos em torno deles. Alguns dizem que os painéis solares não funcionam bem no inverno. Outros dizem que os painéis solares são caros e que não valem a pena instalá-los. 

Por isso, hoje, vamos explorar alguns dos principais mitos sobre os painéis solares e esclarecê-los.

 

Painéis solares não funcionam em dias nublados ou chuvosos

Os painéis solares funcionam bem em qualquer condição climática, desde que haja sol. Já nos dias nublados ou chuvosos, a energia solar ainda é captada, mas em menor quantidade.

Por isso, se você mora em uma região onde os dias costumam ser nublados ou chuvosos, é importante considerar essa limitação na hora de instalar seus painéis solares.

Mas não se preocupe! Mesmo nos dias nublados ou chuvosos, a energia solar ainda é uma boa opção para gerar energia elétrica.

 

Os painéis solares são muito caros para serem instalados

O preço da instalação de um sistema de painéis solares varia de acordo com o tamanho da sua casa ou empresa e quanta energia você deseja gerar a partir de sua própria energia solar. 

Geralmente, os sistemas maiores produzem mais energia do que os menores, mas isso não significa que você deva ignorar os benefícios dos modelos menores. 

Alguns fatores importantes a serem considerados na hora de decidir quanto custaria a instalação de um sistema solar incluem: 

  • O tipo de painel solar (monocristalino ou policristalino); 
  • A localização da casa/empresa (se é perto de uma área rural ou urbana);
  • As tarifas cobradas pela concessionária elétrica.

Independentemente do tamanho do seu projeto, é importante contar com profissionais qualificados para garantir que ele funcione corretamente e produza energia por muitos anos!

 

Painéis solares requerem muita manutenção

Não, painéis solares não requerem muita manutenção. De fato, a manutenção de painéis solares é muito simples e pode ser realizada por você mesmo.

Para começar, é importante verificar sempre as conexões elétricas, verificar os fusíveis e limpar os painéis regulares. Você também deve verificar se há folhas, poeira ou sujeira obstruindo a luz solar.

Embora a manutenção de painéis solares seja simples, é importante ter cuidado para que o sistema funcione corretamente. Fique atento às manutenções anuais e aos problemas que podem ocorrer para garantir que seu sistema solar esteja sempre funcionando da melhor forma possível.

 

Os painéis solares causam impacto ambiental negativo

Não, os painéis solares não causam impacto ambiental negativo. Pelo contrário, eles ajudam a reduzir a emissão de gases de efeito estufa e a promover a energia limpa.

Além disso, os painéis solares podem ajudar a economizar energia. É por isso que está cada vez mais comum ver essas placas instaladas em casas e prédios. Sem falar no fato de que o investimento inicial costuma ser recompensado em pouco tempo!

Portanto, se você está considerando instalar painéis solares em sua casa, não se deixe levar pelos mitos. Os painéis solares são uma excelente escolha para a energia solar, e vale a pena considerá-los.

Se você gostou do nosso conteúdo, curta nossa página e não se esqueça de deixar o seu comentário abaixo

Quais são os tipos de Painéis Solares?

Atualmente no mercado existem vários tipos de Painéis Solares disponíveis para instalação, são eficazes e geram um ótimo custo benefício.
Quer saber quais são os tipos de painéis solares? Vem comigo que te conto tudo o que você precisa saber sobre eles e assim escolher o que melhor se encaixa aos seus hábitos de consumo de energia e nas necessidades do seu imóvel.

Mas antes, vamos descobrir o que são painéis solares.

 

O que são Painéis Solares?

Painéis solares são equipamentos que possibilitam a captação da luz solar, transformando-a em energia.

Os painéis solares fazem parte de um sistema de funcionamento fotovoltaico composto por pequenas células de materiais semicondutores que geram a corrente elétrica, ou seja, a eletricidade utilizada no mundo todo.


Ficou curioso para saber mais?
Continue lendo que eu te conto!

Painéis Solares: Quais são os tipos?

Agora que você já sabe o que são painéis solares vamos descobrir quais são os tipos correspondentes a eles. A seguir listamos 7 tipos de painéis para você: 


Painel Solar Monocristalino
Com uma cor mais escura, possuem as bordas arredondadas, são elaborados de silício, um material mais puro.

Devido a sua pureza no material, são mais caros, no entanto eles apresentam maior durabilidade e ocupam menos espaço para gerar a mesma quantidade de energia.


Painel Solar Policristalino
Constituído de vários cristais, também são elaborados de silício, no entanto não são iguais ao monocristalino. Nesse painel a produção é realizada pela fundição dos cristais em bloco.

Apresenta um formato quadrado e é fatiado em células. Sua vantagem é que são fáceis de produzir, consequentemente mais baratos.


Painel Solar de Película Fina
São elaboradas com várias camadas finas de material fotovoltaico, podendo ser o silício, cádmio ou cobre.

Fáceis de produzir, o que demanda menos produtos, deixando-o mais barato. Entretanto, ocupam um espaço maior, tornando-o inadequado para residências.


Painel Solar de Célula de Silicone Amorfo
Sabe aqueles painéis de calculadora ou de relógio movidos a energia solar? Então, você já conhece esse painel.
Usa uma tecnologia de camada tripla, o que resulta em uma espessura muito fina. São menos eficientes que os outros painéis, mas sua vantagem é um custo relativamente baixo.


Painel Solar Híbrido
Sua tecnologia de produção se assemelha aos painéis solares monocristalinos, porém possuem uma camada de silício amorfo (a forma não cristalina).
Este painel funciona muito bem em grandes temperaturas e possui uma alta produção de energia por metros quadrados.


Célula Solar de Cádmio
Utiliza cádmio e telureto em sua produção, o que proporciona uma produção de células mais econômicas.
No entanto, não é recomendado para casas, somente para campos abertos, por conter propriedades tóxicas.


Célula Fotovoltaica Concentrada
Geram energia, exatamente como os painéis convencionais, porém ele se destaca na forma curva de seus espelhos, contém lentes e sistemas de resfriamento internos usados para armazenar os raios solares, obtendo maior eficiência.
Mais uma característica desse painel são os rastreadores de raios solares, isso mesmo, ele busca os raios solares, proporcionando a alta eficácia dele.

Mas então você pergunta, como vou escolher o melhor painel solar para a minha residência?

A resposta vem em seguida.


Painéis solares: Como escolher?

Se você pensa em ter painéis solares em sua residência é preciso calcular quantos serão necessários para atender às suas necessidades.

Mas, como eu faço isso? Calma, eu te explico.

  • É preciso levar em consideração o consumo médio de energia, e alguns parâmetros como:
  • A localização dos painéis, onde seja possível captar o maior número de raios solares;
  • A inclinação e orientação dos painéis;A compatibilidade entre os painéis e o inversor.


Para produzir mais energia basta aumentar a quantidade de painéis.
A melhor escolha do painel solar depende da estrutura do seu projeto, o que você pretende gerar com ele, quantos quilowatts hora você pretende gerar no mês.

Agora que você sabe quais são os tipos de painéis solares, sua escolha fica muito mais fácil!

Gostou do nosso conteúdo? Então, não esqueça de deixar seu comentário abaixo.

 

Os benefícios da energia solar e porque você deve considerar instalá-la em sua casa!

Os benefícios da energia solar e o por que você deve considerar instalá-la em sua casa, vai muito além da economia na conta de eletricidade. 


A instalação de placas solares reduzirá sua pegada de carbono, que é uma das principais causas do aquecimento global.

Também diminuirá nossa dependência de combustíveis fósseis, fornecendo-nos fontes de energia renováveis e abundantes.

 Se você estiver curioso para saber quais são os benefícios, este guia tem todas as informações que você precisa. No final, você será capaz de decidir se a energia solar é adequada para você! 

 

Quais são os benefícios da energia solar?

 Você já deve saber que um dos melhores benefícios da energia solar é que ela pode reduzir sua conta de eletricidade. Mas, você sabia que instalar placas solares em sua empresa ou casa pode reduzir drasticamente sua pegada de carbono?

Além de reduzir seus custos de energia e ajudar o meio ambiente, há muito mais benefícios da energia solar. Aqui estão alguns a serem considerados: 

     Redução da dependência dos combustíveis fósseis.
A produção de eletricidade com combustíveis fósseis, causa a poluição do ar. Este é um fato bem conhecido até agora. A energia solar é completamente livre do efeito estufa ou subprodutos de gases tóxicos.

     Redução da tensão sobre os recursos naturais
 Os fósseis estão se esgotando, e uma vez que eles se esgotem, não teremos mais outra maneira de extrair energia deles. A energia solar é limpa e renovável, portanto ela estará por perto enquanto o sol continua brilhando sobre a Terra (que deve ser por pelo menos 5 bilhões de anos).

     Economia financeira
 O uso de placas solares em sua casa pode reduzir significativamente sua conta mensal de eletricidade, se não eliminá-la completamente. Esta tecnologia está ganhando popularidade e se tornando mais acessível com o passar dos anos.

  

Por que não tornar sua casa movida a energia solar?

 A energia do sol é livre, abundante e renovável. Podemos utilizá-la para aquecer água, produzir eletricidade e aquecer nossas casas.

 O uso da energia solar é uma alternativa limpa aos combustíveis fósseis. Ela não produz poluição, reduz nossa dependência dos combustíveis fósseis e ajuda a proteger nosso meio ambiente para as gerações futuras.

 Se você estiver cansado dos custos crescentes dos serviços públicos, a energia solar pode ser a sua solução. Suas contas de serviços públicos serão reduzidas ou eliminadas à medida que você utiliza a energia do sol em sua própria casa. Além disso, você pode agregar valor à sua casa ao instalar um sistema de energia solar.

 Uma casa movida a energia solar é uma transição fácil e não é tão cara quanto muitas pessoas pensam. Se você está comprando uma casa nova, ou pensando em instalar placas solares, agora é o melhor momento para explorar as possibilidades.

 

Painéis solares que podem alimentar uma casa inteira

Quando você pensa em painéis solares, o que lhe vem à mente? Você imagina grandes instalações nos telhados de edifícios comerciais?

Se sim, saiba que hoje em dia a energia solar não está mais limitada às propriedades comerciais. Os painéis solares são muito mais acessíveis e você não precisa investir muito para colher os benefícios desta tecnologia. Instalações menores podem gerar eletricidade suficiente para alimentar uma casa inteira.

Existem diferentes maneiras de usar a energia solar. Você pode ter um sistema fotovoltaico (PV) instalado em seu telhado, que converte a luz solar diretamente em eletricidade ou você pode instalar painéis solares térmicos, que captam o calor do sol, para o aquecimento da água para sua casa.

Seja qual for a opção que você escolher, diga adeus ao pagamento de contas altas de eletricidade.

Gerador de energia solar: Como funciona?

 

Os geradores de energia solar são a nova tendência para as pessoas que procuram fontes alternativas de energia, especialmente para aqueles que desejam reduzir a fatura da concessionária e que sofrem com a baixa qualidade da energia. Estes geradores de energia solar sustentam a viabilidade da energia renovável, dando assim um passo em direção a um ambiente ecologicamente correto.

 No entanto, muitos consumidores se perguntam: por que precisamos de um gerador de energia solar? Vamos descobrir! 

 

O que é e como funciona um gerador de energia solar?

O gerador de energia solar, também conhecido como gerador solar fotovoltaico, é um dispositivo que converte a energia do sol em eletricidade. Isto é feito através de uma série de células fotovoltaicas feitas de materiais semicondutores como o silício, que aproveitam os raios solares e os transformam em uma corrente elétrica.

 Um gerador de energia solar é uma excelente maneira de fornecer à sua casa ou empresa uma fonte de energia renovável. O sol está sempre brilhando, portanto você nunca ficará sem energia.

 A função de um gerador de energia solar é captar os raios solares através de painéis solares, injetando a energia fotovoltaica na rede da distribuidora ou armazenando a energia em baterias estacionárias e convertendo a energia de CC (Corrente Contínua) para CA (Corrente Alternada) através de inversores, antes de fornecê-la para consumo.

 O gerador de energia solar ajuda você a economizar em sua conta de eletricidade e também a ser ecologicamente correto. Então, se você está procurando uma alternativa confiável para alimentar sua casa, um gerador de energia solar é uma boa escolha!

 

Quais as vantagens de um gerador de energia solar?

As vantagens de um gerador de energia são muitas. Aqui estão algumas delas:

Redução no gasto com energia elétrica.

  • Mais confiabilidade no suprimento de energia para sua casa ou empresa.
  • Valorização e aumento no valor do imóvel.
  • Os sistemas fotovoltaicos (PV) não precisam de luz solar direta para a produção de eletricidade, portanto, mesmo em dias nublados, eles ainda geram muita eletricidade.
  • Os sistemas solares fotovoltaicos requerem muito pouca manutenção, uma vez instalados. Eles também são modulares, o que significa que você pode facilmente expandir seu sistema adicionando mais painéis, se suas necessidades energéticas mudarem.
  • O gerador de energia solar pode ser usado em qualquer parte do mundo e por qualquer pessoa que tenha um telhado ou um terreno para instalá-los.

 

Tipos de Gerador de Energia Solar.

Existem dois tipos de geradores de energia solar. O primeiro é um sistema autônomo (Off Grid), que é o tipo isolado da rede. Ele consiste em placas solares que coletam a energia solar e a armazena em baterias estacionárias para consumo.

 O segundo tipo de gerador de energia solar (On Grid) é conhecido como um sistema ligado à rede, em paralelismo constante. Este sistema possui painéis solares que coletam a energia solar e estão ligados diretamente a um inversor que converte em eletricidade no padrão da concessionária, disponibilizando para consumo imediato ou injetando na rede elétrica da distribuidora.

 O tipo de gerador de energia solar que você escolher dependerá de suas necessidades e preferências individuais. Se você não possuir acesso à rede da distribuidora ou estiver procurando ficar livre da concessionária (fora da rede), então um sistema off-grid é o indicado para você.

 Entretanto, se você só deseja reduzir o custo com a fatura de energia com uma solução sustentável e desejar manter-se conectado à rede elétrica, para manter a confiabilidade de fornecimento de energia, então um sistema grid-tie é o mais recomendado.

 A chave para escolher o tipo certo de gerador de energia solar é considerar suas necessidades e preferências energéticas antes de fazer uma compra.

 A energia solar é uma tendência crescente que veio para ficar. Muitos benefícios podem vir do uso deste tipo de energia, independentemente do onde você mora. Se você quiser reduzir sua conta de eletricidade e ao mesmo tempo agregar valor à sua casa, o uso do gerador de energia pode ser a resposta.

 Gostou do nosso conteúdo sobre como funciona o gerador de energia solar? Então, não se esqueça de deixar seu comentário abaixo.

Marco Legal da Geração Distribuída, o que vai mudar?

        No dia 18 de agosto deste ano, foi aprovado na câmara dos deputados o projeto de lei 5.829/19, mais conhecido como Marco legal da GD (geração distribuída), pois trata sobre microgeração e minigeração distribuída no Brasil, não só de energia solar, mas de qualquer fonte renovável.

        Esse Projeto de Lei visa modernizar o arcabouço regulatório do setor elétrico em Geração Distribuída, que operava segundo as diretrizes das resoluções 482/12 e 687/15 da Aneel. Mesmo representando grande avanço, estas resoluções ainda careciam de embasamento legal mais sólido. Adicionalmente, a explosão do mercado de energia solar fotovoltaica e seus impactos cada vez maiores para os diversos atores do setor, ensejou a edição de lei para direcionar aspectos importantes, entre eles:

    • Pagamentos dos custos dos sistemas de transmissão e distribuição pelas unidades consumidoras-geradoras (acréscimo na conta de energia);
    • Cálculo do benefício da GD para o setor elétrico (desconto na conta de energia);
    • Maior segurança jurídica e financeira para a GD, principalmente para usinas;
    • Permissão de novos modelos de negócios;
    • Estabelecimento do papel das concessionárias e permissionárias de energia elétrica;
    • Padronização dos requisitos para acesso a rede no território nacional.

        É importante ressaltar que o texto também estabelece o direito adquirido para os sistemas já conectados e os que fizerem a solicitação de acesso até 12 meses após a publicação da lei (após aprovações e sanção do presidente). Esse direito adquirido vigorará até 31 de dezembro de 2045.

        Para os projetos protocolados após 12 meses da publicação da lei valerá as novas regras respeitando um período de transição, que aumentará gradativamente o pagamento dos encargos de utilização da rede até 2029. A partir desta data 100% dos custos de utilização deverão ser pagos de acordo com regramento ainda a ser definido pela ANEEL.

Confira a proposta de evolução da taxação, segundo o projeto de Lei:

AnoÔnus – Componente TUSD Cat. B
202315% da TUSD
202430% da TUSD
202545% da TUSD
202660% da TUSD
202775% da TUSD
202890% da TUSD
2029Nova regra a ser emitida pela ANEEL.

        Além disto, à partir da publicação da nova lei, a geração excedente poderá ser contratada pela Concessionária de energia. Sendo possível haver negociação de valores entre a distribuidora e seus clientes. Anteriormente, os excedentes eram creditados em valores de energia (KWh) e não podiam ser comercializados.

        O projeto de lei, defini ainda que a Concessionária de energia terá 30 dias para alterar os percentuais de geração de unidades associadas à geração compartilhada. Este causava desconforto ao modelo de negócio das “Fazendas Solares Compartilhadas”. Pois, havia pressa pelos detentores de geração compartilhada em alterar os percentuais, cujos condôminos dividiam na produção de energia da usina solar, enquanto as concessionárias não davam a celeridade desejada.

        Outro aspecto positivo da lei é que ela institui o Programa de Energia Renovável Social, destinado a investimentos na instalação de sistemas fotovoltaicos e de outras fontes renováveis, na modalidade local ou remota compartilhada, aos consumidores de baixa renda. Os recursos financeiros serão provenientes do Programa de Eficiência Energética, de fontes de recurso complementares, ou de parcela de outras receitas das atividades exercidas pelas distribuidoras convertida para a diminuição de tarifas.

        O projeto de lei criou muitas polêmicas inicialmente, principalmente pela cobrança de custos relacionados a utilização da rede, porém é preciso haver a compreensão dos consumidores que esses custos existem e no final da cadeia invariavelmente o consumidor cativo paga a conta.

        Contudo, haverá também a mensuração dos benefícios proporcionados pela GD e será estes serão abatidos dos custos de utilização da rede. A Aneel deverá divulgar os custos e os benefícios sistêmicos das centrais de micro e minigeração distribuída, segundo diretrizes estabelecidas pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), ouvida a sociedade, as associações e entidades representativas, as empresas e os agentes do setor elétrico.

        O novo texto proposto foi muito bem recebido pelas Associações do setor de energia solar, pois o projeto de lei dá mais transparência e planejamento para negócios no setor, e os subsídios atuais serão mantidos quase que integralmente pelos próximos anos. Por outro lado, havia grande pressão por parte das concessionárias de energia e associações de concessionárias exigindo o corte imediato dos subsídios. Resta claro que o texto aprovado só foi possível graças ao ambiente criado pela grave crise hídrica que assola o país, uma vez que o governo quer promover geração e reduzir o risco de racionamento.

        Entre males e feridos, ganhou a energia solar. Certamente, a lei promoverá um novo impulso, com novos recordes de instalações ocorrendo nos próximos meses.

Crise Hídrica e Aumento da Conta de Energia

        Atualmente passamos pela maior crise hídrica dos últimos 91 anos. Os reservatórios das regiões Sudeste e centro-oeste, que são responsáveis por aproximadamente 70% da geração de energia do Brasil, estão com uma capacidade de armazenamento abaixo de 30%, e o mais preocupante é que o período de chuvas na região está chegando ao fim. Meteorologistas não preveem chuvas consideráveis para as regiões onde ficam os reservatórios para o mês de outubro, sendo assim acarretará no aumento da conta de luz pois utilizará ainda mais das nossas termoelétricas.

        A Aneel (agência nacional de Energia Elétrica), na data 29 de julho de 2021 aprovou um novo reajuste na bandeira tarifária vermelha patamar 2.

        Com o tamanho do problema hídrico a Aneel criou a tarifa chamada “escassez hídrica”. O novo valor da taxa extra é de R$ 14,20 pelo consumo de 100 kWh, que está vigente desde 1º de setembro de 2021 a 30 de abril de 2022. Anteriormente a data de execução da nova tarifa, o valor cobrado era de R$ 9,492 pelo consume de 100 kWh.

Aquecimento Solar de Água e as vantagens para redução de custos

        Os grandes vilões da fatura de energia são o chuveiro elétrico e torneiras elétricas, pois são os equipamentos mais potentes que utilizamos no nosso dia a dia. Para ajudar a diminuir os gastos é recomendado que os usuários diminuam o tempo de utilização dos equipamentos e também diminuam a potência dos mesmos. Outra maneira de diminuir a fatura de energia seria a implantação de aquecedores solares, pois assim a água será aquecida por painéis solares e armazenada em um boiler, com isso não utilizaríamos a energia elétrica para fazer o aquecimento da água.

        Com a implementação do sistema de aquecimento solar, podemos obter uma economia de até 40% do valor da conta de luz. A água armazenada e aquecida do boiler pode ser distribuída pela casa em mais de um ponto, podendo usar em torneiras e tomadas.

        A respeito do investimento do aquecimento solar, a economia na fatura de energia elétrica compensará o valor que foi gasto na instalação. Isto porque o investimento tem uma média de retorno de até 3 anos, considerado um baixo período tornando o sistema favorável para implantação.

        Como exemplo, vamos considerar uma família de 5 pessoas, que tomam 5 banhos por dia de 8 minutos cada, totalizando 40 min/dia, resulta no consumo médio mensal de 398 kWh/mês de energia com o chuveiro elétrico. Com as mesmas condições, ao comparar com o sistema de aquecimento solar banho, o consumo médio mensal cai para 113 kWh/mês de energia se utilizado o apoio elétrico do sistema solar; com o custo da energia elétrica de R$ 0,75 (bandeira tarifária julho 2021) a economia é de cerca de R$ 213,50 ao mês o que representa R$ 2.561,90 de economia por ano ou 72%.

        Você pode conhecer mais sobre Aquecimento Solar acessando o link: https://blog.energyshop.com.br/categorias/guia-da-energia-solar/aquecimento-solar-de-agua-como-funciona/


* Economia de até 40% na conta de luz em comparação ao chuveiro elétrico.

** Retorno de investimento em até 03 anos. O prazo de retorno sobre o investimento pode variar de acordo com a região, configuração do sistema e rotina de utilização do aquecedor.


Inversor Híbrido Off-Grid

        Os sistemas fotovoltaicos On-Grid e Off-grid já estão hoje bem difundidos no mercado, porém, há uma terceira modalidade que vem ganhando força e espaço, são os chamados SISTEMAS FOTOVOLTAICOS HÍBRIDOS.

        O sistema híbrido atua de forma semelhante ao on-grid, onde o sistema de geração solar é conectado à distribuidora de energia, consumindo energia da rede da concessionária. Além disso, o sistema conta com a capacidade de armazenagem e suprimento de energia em baterias, característica do sistema off-grid, para suprir falhas e atuar quando ocorrerem apagões na rede de energia, fornecendo assim conforto e confiabilidade no suprimento de energia ao usuário. Estas aplicações de energia solar híbridas também podem ser utilizadas em conjunto com geradores a diesel ou outras fontes de energia ao invés da conexão com a rede elétrica.

        Há duas possibilidades hoje para sistemas híbridos: os híbridos on-grid e off-grid. A diferença de ambos é que o on-grid permite consumir e injetar energia exatamente da mesma forma que funciona o sistema grid-tie comum, porém com o backup do banco de baterias adicionados junto ao inversor. Já no off-grid, o sistema funciona sem injetar energia na rede, apenas consume a energia da concessionária se necessário, seja para dar suporte aos painéis de energia solar, à alimentação das cargas, seja para carregar as baterias.

        Vale lembrar que para conexões onde o inversor injeta energia na rede elétrica da concessionária (sistema de energia solar híbrido on-grid), da mesma forma que nos sistemas grid-tie não híbridos, há necessidade de homologação do projeto pela distribuidora, sendo necessário um técnico especializado registrado no CREA para aprovação do processo. Por esta razão, projetos híbridos on-grid podem ter um custo mais elevado, uma vez que além do custo do equipamento e sua instalação, é necessário adicionar o custo do projeto e sua aprovação na concessionária.



Inversor Híbrido Off-Grid

        Os inversores off-grid tradicionais se caracterizam por serem utilizados em sistemas isolados da rede elétrica. Ao contrário dos inversores grid-tie que permitem injetar, os sistemas off-grid não injetam na rede. O inversor híbrido off-grid pode utilizar energia proveniente dos painéis solares, da rede elétrica (se houver) ou até mesmo de um gerador independente da rede. A nomenclatura “off-grid híbrido” não está totalmente correta, pois essa denominação é dada aos inversores que alternam on-grid e-ou off-grid. O nome tecnicamente mais correto para este sistema seria “interativo”, porém como o mercado adotou o termo “off-grid híbrido”, por razões comerciais manteve-se esta nomenclatura.

Fluxograma de energia do inversor Off-Grid Híbrido

        Além da possibilidade de utilizar fontes de energia em conjunto, esses inversores se diferenciam dos tradicionais off-grid por apresentar outras vantagens:
    • Possui sistema de monitoramento e controlador de carga interno;
    • O inversor pode ser usado como um sistema de backup automático em locais que já são atendidos pela rede elétrica;
    • Normalmente são fabricados com tensão de saída senoidal;
    • Muitos modelos a venda permitem o paralelismo, permitindo o aumento de potência e a criação de redes bifásicas e trifásicas mais fortes;
    • Como são equipamentos mais recentes, seus controladores de carga normalmente são compatíveis com baterias de Lítio.
    • O gerenciamento entre as fontes de energia que estão sendo utilizadas, normalmente é automático e programável.
        Outra vantagem significativa dos inversores híbridos off-grid é a imediata compatibilidade entre o controlador de carga e o inversor de frequência, pois fazem parte do mesmo equipamento. Em sistemas off-grid tradicionais, o projetista deve observar as especificações técnicas destes dois equipamentos que normalmente são separados, e verificar a compatibilidade entre ambos, oque pode ocasionar erros de escolha.



Inversores On-Grid Híbridos

        Os inversores on-grid se caracterizam por serem utilizados em sistemas conectados à rede elétricaem paralelismo constante, injetando energia na rede. Neste caso a nomenclatura “híbrido” está totalmente correta, pois existem momentos em que o inversor opera apenas como inversor on-grid convencional e na falta da rede elétrica, o equipamento funciona como inversor off-grid tradicional.

Fluxograma de energia do inversor On-Grid Híbrido

A principal vantagem deste inversor comparado aos inversores on-grid tradicionais é a possibilidade de ter energia durante a falta da rede da concessionária, funcionando similarmente a um nobreak, porém com a vantagem que o conjunto de baterias pode ser recarregado pelo sistema de energia solar.

  Você encontra ofertas de inversor híbrido off-grid em nossa loja acessando: https://www.energyshop.com.br/inversor-hibrido-off-grid . Se necessário entre em contato conosco que iremos lhe auxiliar da melhor forma possível na montagem do seu sistema híbrido!

Taxar o sol?

Muito se falou ao longo dos últimos tempos sobre taxar o sol, mas afinal, que história é essa?

Em 2012, a Agência Nacional de Energia Elétrica divulgou a REN 482, essa resolução introduziu o sistema de compensação de energia produzida por painéis solares fotovoltaicos. Esse sistema solar permite que toda energia excedente produzida em sistemas fotovoltaicos grid-tie possa ser injetada na rede elétrica e com isso, receber um crédito de compensação em energia que pode ser usado em até 60 meses.

Esse sistema fotovoltaico parece extremamente atraente e econômico, porém ele possui um “calcanhar de Aquiles”. Numa rápida explicação, a produção de energia solar fotovoltaica ocorre majoritariamente das 9h até 17h, entretanto, uma grande quantidade de consumo de energia continua a ocorrer até às 21h conforme se observa na figura abaixo.

Figura 1 – Consumo residencial vs geração solar fotovoltaica

Fonte: Nota técnica Aneel 0056/2017

Após às 17h~18h, a geração solar fotovoltaica cessa e toda rede elétrica do consumidor passa a ser alimentado pela distribuidora de energia, que por sua vez, adquire energia de outras fontes de energia como Hidráulica, Eólica, Nuclear e Térmica.

Devido essa alta demanda até as 21h, é necessário manter a qualidade do sistema elétrico, muitas vezes necessitando o acionamento de usinas térmicas para garantia da entrega de energia. Essa necessidade faz com que o custo da energia se eleve, uma vez que a produção de energia térmica possui custo mais elevado. É nesse ponto que surge o problema da energia solar fotovoltaica. O horário em que a energia fotovoltaica é produzida e injetada na rede elétrica possui um custo menor do que em horário de maior demanda.

Atualmente, a compensação de energia é muito boa para o usuário do painel solar, porém, os demais consumidores que não possuem o sistema fotovoltaico, acabam pagando essa conta. Sendo assim, começou a ser discutido uma mudança na regulamentação para que essa diferença seja atenuada, mas opositores à mudança conseguiram frear o processo regulatório obtendo apoio popular utilizando a expressão “taxar o sol”. Não se deseja barrar o crescimento da energia solar, apenas deseja-se que o crescimento seja de forma ordenada e com bases sólidas, para que não ocorra o que está sendo observado em alguns lugares como a Califórnia, EUA (Conhecida como curva do pato), onde a diferença abrupta produção solar e demanda de energia na parte da noite, tem ocasionados inclusive diversos problemas como apagões e necessidades de rodízios de energia.

Há diversas propostas sendo levadas a audiências públicas para que se encontre uma solução que seja benéfica e possa dar boas fundações a expansão da energia solar.

Mas afinal, possuir sistema solar fotovoltaico irá se tornar inviável?

Não, a perspectiva é que a energia solar fotovoltaica grid-tie continuará sendo muito atraente para quem deseja diminuir custos de energia. O que poderá ocorrer é um aumento no tempo de retorno do investimento, mas que ainda sim continuará interessante para o consumidor.

Há também uma possibilidade interessante na mudança regulatória. Atualmente, o cliente com energia fotovoltaica recebe apenas o crédito em KWh de energia do excedente, que pode utilizar em até 60 meses. Ou seja, não há qualquer ganho em moeda, mas isto poderá mudar de acordo com algumas propostas que estão sendo levantadas. Há uma possibilidade que, com as reduções das exigências para entrada do consumidor no mercado livre de energia, o proprietário de microgeração possa negociar a energia excedente e vendê-la, obtendo retorno em espécime do seu investimento.

Caso tenha interesse, entre em contato conosco para orçamento de um sistema fotovoltaico grid-tie.

Barco Hotel inovador opera com Energia Solar no Amazonas

O barco hotel Untamed Amazon foi construído em 2015 no estaleiro Juruá de Manaus (AM), para atender às necessidades de operação do Projeto de Pesca Esportiva no Rio Marié, afluente do Rio Negro na região de São Gabriel da Cacheira no extremo oeste do estado do Amazonas, em parceria com a ACIBRN (Associação das Comunidades Indígenas do Baixo Rio Negro).

No primeiro ano de operação da embarcação não havia sistema fotovoltaico instalado, os equipamentos elétricos eram abastecidos por um gerador a diesel e consumiam mais de 28 mil litros de diesel para abastecer a sua rede elétrica. Já em 2016, após a instalação do kit fotovoltaico, projetado para integrar a geração solar com a geração diesel, o consumo caiu para aproximadamente 15 mil litros no ano, uma redução de 46% no consumo de diesel.

Segundo a empresa Junglers Marié Agência de Viagens, empresa do grupo Untamed Angling do Brasil e proprietária do barco, o objetivo é zerar o consumo de combustível fóssil para está finalidade e isto será alcançado por meio da troca dos 94 painéis solares de 260Wp, que geram entre 85 e 104 kWh/dia, por módulos bifaciais de maior capacidade. Com isso, é estimado que o sistema triplique sua geração de energia.

De acordo com Antonio Salles, Sócio da Junglers, o objetivo de ter a rede abastecida somente pela fonte fotovoltaica faz parte do compromisso da empresa com as comunidades indígenas. “O principal compromisso nosso é preservar a floresta e os rios, ambientes dos indígenas que permitiram nossa presença lá. Assim, com a energia solar evitamos o uso do óleo diesel para acionar o gerador elétrico. Sem deixar resíduo de diesel na água e no ar”, destacou Salles.

A embarcação de 28 metros de comprimento por 7,80 metros de largura e 6 metros de altura acima da linha d’água, possui oito suítes e abriga até 16 hóspedes. 

Todas as suas instalações possuem sistema de ar condicionado central alimentados por dois geradores de água fria com capacidade de 15,0 TR cada, enquanto a casa de máquinas, lavanderia e sala da estação de tratamento de água têm sistemas de ventilação e exaustão forçada produzindo 60 trocas de ar por hora.

Já o sistema de tratamento de água capta água bruta do rio e abastece todos os pontos de consumo com água potável e transparente. O sistema é composto de várias etapas, passa por três diferentes processos de filtragem e por três processos complementares de purificação e desinfecção. A capacidade total de tratamento é de 450 a 500 litros por hora.

O Projeto do Rio Marié contou com a participação do Ibama, do Instituto Socioambiental, Funai e de representantes de 15 comunidades indígenas.

Foram comprados barcos e construídos três postos de vigilância, onde os indígenas ganham um salário mínimo para cuidar do rio Marié, além de servirem como guias nos barcos de pesca. “Fazemos dos indígenas nossos sócios em todos os projetos. Eles tomam as decisões conosco igualitariamente. E 50% do lucro de cada projeto é deles. E um comitê indígena decide como distribuir e aplicar esses recursos”, conta Salles.

 

 

Fonte: Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica

 

 

Impactos da Pandemia do COVID-19 na Energia Solar

Com o avanço global da pandemia do novo corona vírus, começamos a observar impactos na economia real como a disparada do dólar, a diminuição da atividade industrial, o lockdown do comércio e a diminuição drástica da logística no Brasil e em muitos países, mas principalmente na China onde esse novo vírus surgiu. No entanto, a China também é o maior fornecedor mundial de equipamentos eletro-eletrônicos.

Os preços das placas solares praticados em dólar e em reais antes da crise, foram os menores da história para a energia solar, devido à produção em escala cada vez maior, isto associado à nova consciência ecológica que vem ganhando força no mundo criou um dos mercados mais pujantes do planeta. No entanto, como a crise está afetando todos os setores da sociedade, o mercado de energia solar fotovoltaica também não sairá ileso.

Espera-se que os preços das placas solares em reais iniciem uma alta expressiva, pois a alta do dólar não mais será compensada pela economia de escala, que tem o seu limite em reduzir preços.

“Estamos observando uma alta nos custos de importação já neste mês de março, mas o impacto sobre o preço de comercialização de módulos fotovoltaicos, inversores solar entre outros produtos, deve começar a ser observado com mais força em Abril.  Contudo, se o dólar permanecer neste patamar, mesmo com a volta da economia, não iremos mais ver os preços praticados em janeiro. É preciso que o dólar volte.” aponta a coordenadora de suprimentos da Energy Shop, Grazielle Lima Krakhecke.

Em 2019 o setor de energia fotovoltaica cresceu 85% em geração no Brasil (em relação a 2018), a previsão para 2020 era ainda mais otimista, porém provavelmente este número caia para baixo dos 50%, o que ainda é uma boa taxa de crescimento. Contudo, nos últimos dias tivemos boas notícias, a China declarou que o pico da pandemia no país já passou e agora a tendência é a diminuição das restrições sócio-econômicas e, aos poucos, tudo voltar ao normal. Segundo a BNEF essa paralização de dois meses, não será o suficiente para reverter o excesso de demanda por produtos de energia solar. A conclusão é que o mercado de energia solar seguirá em alta.